Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2013

Garoto de 9 Anos Falando Sobre a Vida e o Universo.

Às vezes devemos parar para ouvir os mais jovens.
Nós crescemos e achamos que já sabemos de muito e não queremos ouvir os outros pois julgamos já ter uma verdade própria, mas aqueles que julgamos incapazes de compreender a complexidade do mundo e da existência humana, podem compreender mais do que nós.
Eu aprendi com este garoto.

"Só sei que nada sei." Sócrates.
Por mais sábios que sejamos, nunca compreenderemos o universo em sua totalidade.
O conhecimento não tem limites, o que tem limite é a nossa capacidade de compreender tudo que nos rodeia.

Sara.

Apelo ao Tempo.

O Amor contido.
As palavras não ditas, nem se quer sussurradas.
o apelo, a súplica,
por um afeto, um abraço.
O desprezo, a angústia e o ódio
que me tomam
e em seus braços me carregam para além da solidão.
No ímpeto de ser amada,
o desprezo me toma,
te reparo, te enxergo, te devoto meu ser.
Mas tu se quer notaste meu sentimento.
Me repudio
por escutar sua voz, onde você não está.
Por te ver onde você não está.
Se fosse me dado um desejo
desejaria não te amar.
Fui predestinada a solidão e só a ela devo me atentar.
Tira de mim tempo,
isso que me perturba
que me desalinha,
tira de mim tamanha ilusão,
que machuca e faz doer o coração.
Amor de um só ser,
amor platônico,
primeiro amor,
primeira dor.
Eu queria odiar
mas em mim só amor há.

Sara.

Lua.

Hoje olhei o céu,
a lua prata  brilhava,
eu pensava que farei agora com tamanha confusão?
Meus pensamentos confusos, meus sentimentos.
Se de fato não tivesse reparado na lua,
talvez esses pensamentos não rodeassem minha mente, talvez.
Não sei que caminho seguir,
incerta ando em meus pensamentos,
incerta saem as palavras da minha boca.
Incerta sou, incerta serei, incerta fui
e hoje olhando o céu
já me perco em tantas incertezas.
Não tomarei decisões, não hoje.
A noite brilha e isso me basta,
tão clara ilumina meu rosto.
Tão certa quanto o amanhecer.
Estou perdida,
perdida vou seguindo o caminho que aparece pra mim
como a lua esta noite,
tão clara e confusa,
porém segura de voltar amanhã.

Sara.

Vaguear.

Já não me importo de ficar á margem,
escutar é aprender.
Navego em um mar de opiniões,
me afogo nos meus pensamentos,
bebo minha tristeza dia após dia,
sequestro minha solidão.
Debaixo de todo este mundo que eu sou,
existe alguém que o mundo não sabe quem é.
Me sufoco com as discussões,
a vida não é bela
e sabe-se lá o que é ela.
Olha lá quem vem,
eu não sei, eu não vejo.
Acima de mim escombros caem
e minhas máscaras se desmancham
porque eu as destruo.
Dentro de cada ser há um mundo
em completa destruição.
Tudo muda, tudo se transforma.
A caneta já escreve sozinha,
assim como meu corpo anda e minha mente
voa acima de mim.
As folhas voam sobre mim,
assim como perguntas habitam minha mente.
Porque você insiste em me agredir, vida?
Se sabe que jamais vou reagir.
Por caminhos vagueio na eterna procura de mim.

Sara.

Nas Noites de tempestade.

Nas Noites de Tempestade,
o vento surge de rompante,
me toca, me faz tremer
é quase suportável sair pela manhã
pra te ver.
Escuto o barulho do vento,
ele é forte nas noites de tempestade,
é gelado e penetrante.
Sinto uma vontade imensa de sentar na grama
e sentir a chuva atingir minhas costas,
com toda a força que do céu brota
em trovões e raios que me dão medo.
Talvez seja por isso que não saio de casa.
Te vejo na chuva, quero ir ao seu encontro,
quero te cobrir com meu manto,
quero te abraçar, mas eu tenho medo.
Meu medo é maior que a vontade de ir pra chuva.
Enquanto a tempestade durar, até a chuva  acabar,
eu estarei na casa, abrigada, porém cheia de vontade de me render a chuva.

Sara.
E se o amor te pegar de surpresa?
Se ele vier quando menos se espera,
se você não souber explicar o que sente,
você se sente diferente?
O que fazer?
Será que é amor?



A Chama.

Ainda sinto o calor de seus olhos.
Seu olhar que prende,
devora, seduz, ignora.
Me traga o caminho que perdi,
despeje sobre mim,
sua angústias e seus medos.
Me faça te ouvir
e calarei meu pranto
e cessarei meu lamento,
para sentir o calor que seu olhar me trás.
Se pelas noites ouvires o que do meu olhar clama,
o que minha boca não diz,
o que meus gestos demonstram
e o que de mim escapa como suspiro pelos cantos,
te direi a verdade,
que de tanto esconder de mim, de você,
arde o peito quando a distância vem
sobrepondo meus pensamentos,
me fazendo perder o equilíbrio,
tão falso equilíbrio que me acompanha desde a Tenra infância.
 É você quem vem ao amanhecer,
com sorriso estreito
sem medir consequências,
poderia ser arrogância,
mas prefiro pensar que é a tua diferença
que faz teus olhos brilharem e arderem como metal ao fogo,
quando defende tuas causas,
e alheio ao mundo se joga onde o vento levar ou onde você o guiar.
Não direi nada que de mim não saia sem alusão a você.
Faz arder em mi…