Pular para o conteúdo principal

Acordando em 1, 2, 3...

"Hoje acordei assustada
com a pele maculada
pelos tiros de borracha
que atingiam meus irmãos.

Hoje acordei assustada
pela violência fardada
a cavalgar pelo asfalto
afagando, com o cassetete,
a dignidade já violentada
de uma multidão.

Hoje acordei com gritos
emudecidos -

Raptos,
mordaças,
truculência,
sumições,
camburão.

Hoje acordei com a
passagem inflacionada:
3,00 + 0,20 por
assentos depredados
trânsito demorado
e hiperlotação.

Hoje acordei assustada
Vi fantasmas da ditadura
tomando as ruas
explodindo autoridade
bombas de gás fiéis ao
brasão.

Hoje vi a alteridade se perder
o seu encizentar
o presente entristecer.

Hoje vi tanta coisa que
precisaram interromper
porque o que eu vi
ninguém mais
deveria ver.

E antes das seis escureceu.
Pimenta nos olhos a cegar
Sem o susto interromper.

Será que somos tão jovens
para não lembrar e tão
velhos para esquecer?

Que a gente não se deixe vencer: ditadura não."
Créditos: CADir-UnB

Li esse texto no Facebook e o achei incrível. Acho que o país está acordando e é bom ver isso,
sinto uma enorme vontade de também sair nas ruas e gritar pelo meu país, acho que este momento é ideal, o mundo olha para o Brasil e vê apenas belas mulheres, carnaval e futebol. O Brasil é mais e tem mais a mostrar, é tanta corrupção, tanta indignação que o povo cansou. Agora é a hora de tirar a máscara que cobre esse país. Eu digo não à violência e não é destruindo o patrimônio público que iremos conseguir alguma coisa já dizia Dalai Lama: "Seja a mudança que você quer ver no mundo."
 Vamos continuar trazendo a mudança com a Paz, assim ninguém poderá nos acusar de promover a  
guerra.
Não importa se a Tv diz que somos baderneiros o que importa é o que realmente somos.
Nós somos cidadãos e estamos lutando por um país melhor.
Estão querendo nos colocar como vilões e vilãs, estão nos agredindo sem motivo e por razões fúteis. Não adianta tentar encobrir, o Brasil está se revoltando.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Deixa

Deixa vir esse cabelo no rosto
essas lágrimas guardadas
essas palavras não ditas
que te entopem.

Deixa,
Deixa nascer um espaço entre n-ó-s.
para que alguém possa respirar
depois de uma crise de choro.

Deixa,
Deixa o tempo andar devagar
e te olhar
para ver como é que você está se fazendo
se moldando, se construindo.

Deixa,
Deixa o silêncio surgir sorrateiro
trazendo a tona o barulho
que antes estava aqui

Deixa,
Deixa a sua vontade dizer firme que te incomoda o desejo
O desejo de um outro alguém
Deixa
Deixa a gente ganhar espaço,
alçar voos distantes.

Deixa,
Deixa eu pousar um instante
para recuperar o fôlego
Depois do esforço
de tentar te fazer apaixonar...

Deixa,
Deixa o espaço se fazer entre nós
e quando ele tiver se instalado
a gente olha.

Sara.

Soberana.

A gota que ferve na palma da mão.
O abraço apertado dançante.
O beijo, o cheiro
o sorriso gigante.
Quem é você
que chegou nesse instante?

Os olhos castanhos-verdes me fitam
e pedem de mim um apreço.
Eu reluto, mas me entrego
pois permaneço.

O laço que prende
a obrigação que chama
o meio sorriso de canto presente.

Um nós abrupto,
ininterrupto
desconcertante

Houve um atropelamento,
mas estou gostando deste asfalto.
Eu ganhei um beijo no asfalto*

Eu tenho uma mala comigo
Ela é pesada
Nada impede que não a machuque.

Confusão é uma palavra presente.
Desconcerto, cuidado, carinho,
preocupação.
Mas e se?
Se ela voltar?
Se ele voltar?
Você machucará?
Não há respostas prontas
para futuros prováveis.
Mas pode haver?
O que fazer?

Acalma, apressa, aperta o passo.
Ela acalma a minha pressa?*
Ela apressa a minha calma.

Sara.

*Livro: "O Beijo no Asfalto", Nelson Rodrigues.
*Música: "Provável Canção de Amor para Estimada Natália", Banda Mulamba.

Contraponto.

Foi quando um contraponto aconteceu...           Meu andar altivo encontrou seu andar ensimesmado Meu olhar furtivo encontrou seu olhar doce. Minhas longas conversas encontraram suas perguntas profundas e certeiras. Foi quando eu vi a idade da minha alma Ao me deparar com a idade da sua. Foi nas nossas conversas inteligentes que vi os nossos interesses em comum. Foi quando você segurou minha mão, que eu percebi o tamanho do meu passo. Assim que você se mostrou confusa eu vi nascer a certeza da impermanência entre nós. Nós somos um contraponto, Que ora se encontra, ora se distancia. Mas seu sorriso terno E meu olhar amoroso se misturam Quando a gente se olha no começo do dia. Minha alta exposição encontrou seu mistério. Minha mão encontrou seu cabelo E sua boca a minha orelha E foi amor à primeira vista entre eles. Mas também foi onde você não me prometeu a eternidade E eu aceitei a transitoriedade
de nós. Foi quando aconteceu A minha intensidade encontrou o seu breu E se dissipou, s…