Pular para o conteúdo principal

Como uma Pedra jogada em um Lago.

Algumas vezes, quando estamos à beira de um lago, pegamos uma pedra qualquer e a arremessamos na água, apenas para ver o efeito que resultará do encontro entre pedra e água.
Algumas pessoas relatam que ao  jogar a pedra na água, esta não afunda imediatamente, ela salta alguns metros, como um respingo, para só depois mergulhar na água e afundar. Às vezes a pedra dá três saltos devido a força com o que é arremessada, às vezes apenas um.
Sinto que uma pedra foi arremessada no meu lago, ela saltou uma única vez, e ao mergulhar provocou um desequilíbrio, gotas saltaram, ouviu-se um barulho na água, Ploft!
Então, ela afundou.
Não é possível trazê-la até a superfície, uma vez que ao afundar a pedra se perde na escuridão do lago, se mistura à outras pedras, as encontra na escuridão e o lago retorna a quietude.
Porém, a quietude parece incomodar, pois há sempre alguém à beira do lago arremessando pedras por pura diversão.
Sendo eu um lago, posso opinar a respeito da quietude ou inquietude.
Se não houvessem correntezas que guiassem águas aos lagos, o lago seguiria sua tendência à quietude, mas, um lago não está solto no espaço, ele está cercado por árvores, animais, pessoas, entre outras coisas que não convém ao caso...
A natureza tende à harmonia,
o ser humano à incerteza.
Sendo assim, por mais conveniente que seja a quietude  para um lago,
sempre haverá um ser humano à surpreendê-lo, mirando e jogando pedras sem gentileza, só para ver o que acontece com a harmonia da natureza.
Os humanos sim, são demasiados inquietos!

Sara.

Imagem da internet.

Comentários

  1. Sara: permito-me (porque colocaste no AR) dizer do uso que, ontem mesmo, fiz ao lembrar-me das ONDAS CIRCULARES, que se espalham e espalham, ad infinitamente, justo porque uma pedra em um lago é lançada. Foi Imagem (e esta mesmo com o menino), que enviei para os que, dadivosamente, entregaram CONHECIMENTOS de extrema valia para os portadores de câncer (e não apenas, vez que todos temos células cancerosas não ativadas em nossos corpos), CONHECIMENTOS tantos e valiosíssimos, mas que podem não chegar a muitos mais porque... são sempre poucos os que podem ACORDAR. A IMAGEM usei-a para traduzir o desejo de que tais CONHECIMENTOS se espalhem, ad infinitamente, até que mesmo um surdo possa ouvir... .... ... Um Lago nunca é isolado do TODO, Sara... Ene elementos, invisíveis a nossos olhos até, o "acordam" (ao Lago), assim como seres "adormecidos" podem ACORDAR PARA A VIDA com o toque de um olhar ou uma palavra, o que pode significar A CURA. ... ... ... Estar em quietude não significa estar morto. ... Isto foi o que em mim despertou Seu Escrito, jovem Sara. E eu, que SOU GRATIDÃO, estendo-a você, eu, Mouna, já em lonnnnnnnga Estrada, e por isto mesmo bastante aquietada, agradeço sempre que alguém me dá um toque ou diz uma palavra e, assim, eu me lembre de sorrir e despertar. ... ... ... PS.: Mouna (palavra sânscrita que significa SILÊNCIO). A seu dispor. ninguemnulo@gmail.com

    ResponderExcluir
  2. Obrigada Mouna! Pelas palavras, pelos pensamentos, pelo despertar e pelo sentir. Ainda que nosso lago mais se perturbe pela vida, mais ela nos surpreende pelo viver.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Deixa

Deixa vir esse cabelo no rosto
essas lágrimas guardadas
essas palavras não ditas
que te entopem.

Deixa,
Deixa nascer um espaço entre n-ó-s.
para que alguém possa respirar
depois de uma crise de choro.

Deixa,
Deixa o tempo andar devagar
e te olhar
para ver como é que você está se fazendo
se moldando, se construindo.

Deixa,
Deixa o silêncio surgir sorrateiro
trazendo a tona o barulho
que antes estava aqui

Deixa,
Deixa a sua vontade dizer firme que te incomoda o desejo
O desejo de um outro alguém
Deixa
Deixa a gente ganhar espaço,
alçar voos distantes.

Deixa,
Deixa eu pousar um instante
para recuperar o fôlego
Depois do esforço
de tentar te fazer apaixonar...

Deixa,
Deixa o espaço se fazer entre nós
e quando ele tiver se instalado
a gente olha.

Sara.

Soberana.

A gota que ferve na palma da mão.
O abraço apertado dançante.
O beijo, o cheiro
o sorriso gigante.
Quem é você
que chegou nesse instante?

Os olhos castanhos-verdes me fitam
e pedem de mim um apreço.
Eu reluto, mas me entrego
pois permaneço.

O laço que prende
a obrigação que chama
o meio sorriso de canto presente.

Um nós abrupto,
ininterrupto
desconcertante

Houve um atropelamento,
mas estou gostando deste asfalto.
Eu ganhei um beijo no asfalto*

Eu tenho uma mala comigo
Ela é pesada
Nada impede que não a machuque.

Confusão é uma palavra presente.
Desconcerto, cuidado, carinho,
preocupação.
Mas e se?
Se ela voltar?
Se ele voltar?
Você machucará?
Não há respostas prontas
para futuros prováveis.
Mas pode haver?
O que fazer?

Acalma, apressa, aperta o passo.
Ela acalma a minha pressa?*
Ela apressa a minha calma.

Sara.

*Livro: "O Beijo no Asfalto", Nelson Rodrigues.
*Música: "Provável Canção de Amor para Estimada Natália", Banda Mulamba.

Contraponto.

Foi quando um contraponto aconteceu...           Meu andar altivo encontrou seu andar ensimesmado Meu olhar furtivo encontrou seu olhar doce. Minhas longas conversas encontraram suas perguntas profundas e certeiras. Foi quando eu vi a idade da minha alma Ao me deparar com a idade da sua. Foi nas nossas conversas inteligentes que vi os nossos interesses em comum. Foi quando você segurou minha mão, que eu percebi o tamanho do meu passo. Assim que você se mostrou confusa eu vi nascer a certeza da impermanência entre nós. Nós somos um contraponto, Que ora se encontra, ora se distancia. Mas seu sorriso terno E meu olhar amoroso se misturam Quando a gente se olha no começo do dia. Minha alta exposição encontrou seu mistério. Minha mão encontrou seu cabelo E sua boca a minha orelha E foi amor à primeira vista entre eles. Mas também foi onde você não me prometeu a eternidade E eu aceitei a transitoriedade
de nós. Foi quando aconteceu A minha intensidade encontrou o seu breu E se dissipou, s…