Pular para o conteúdo principal

Conto: Eu que Tanto Amo.

Em um dia de novembro, após uma longa chuva, decidi caminhar em volta de um parque próximo a minha casa. Depois de muitos passos caminhados pelo chão lamacento, decidi adentrar o parque e chegar ao lago. Escurecia quando notei uma figura destoante do lago. Temendo espantos noturnos me aproximei vagarosamente. Não muito longe avistei a figura  de uma moça, estava tão assustadora que não reconheci o que com ela se passava.
A moça estava transfigurada, coberta por lama e lágrimas, as mãos tremiam, os lábios molhados.
Me aproximei, me abaixei e perguntei o que lhe havia acontecido, sua voz me pareceu um grunhido.
Perguntei novamente, ela respondeu, me arrependi logo em seguida...
A moça se dilacerava, era uma amante,
e como todo ser que um dia ama, um dia sofre.
Ela sofria.
A moça falou longamente, durante todo o tempo em que estive ali, não olhou em meus olhos.
Sua história me pareceu apenas mais uma das que são narradas na literatura.
A história de um amor não correspondido.
Enquanto ela falava, sua dor se fazia visível em sua face.
Ao longo da vida, ela não tivera muitos amores, mas aos que teve, entregou-se por inteiro.
Depois de muitas barreiras travadas consigo, a moça encheu-se de coragem e ao ser amado decidiu declarar o seu amor.
As barreiras que ela narrou, surpreenderam-me, pois eu também contra às mesmas barreiras lutava.
A moça vivia amarrada aos seus medos
e foi tragada por longos anos por suas amarras, que ganharam vida
e noite e dia a torturavam. Depois de longos anos, refém de suas amarras, a moça as rompeu para ir ao encontro de um ser amado.
Enquanto narrava sua história a moça dizia-se e sentia-se derrotada, enganada pelo destino, amaldiçoada pela eternidade, condenada à solidão, ela dizia.
Após o fatídico encontro com o ser amado e após o desencontro de vidas. Seguiram caminhos distintos, que ela dizia não saber se se cruzariam novamente. Porém, decididamente à dor ela se entregava. Há tempos a dor já a acompanhava. Ela dizia que nada mais lhe restava. Então tudo à dor ela daria, pois nada à ela impediria. Foi quando percebi que contra a própria vida a moça atentaria.
Lhe dirigi minhas palavras e disse:
Não cabe a tu desistir, se tiveres forças para sair, por quê desperdiçar tuas oportunidades? Para quê se entregar a dor, se a mesma te impulsionou a viver?
Não faças tal, eu te peço.
Usas teus braços e lança fora a dor que quer te amarrar novamente.
Não percebes, tuas amarras que vida ganharam, novamente te querem dominar.
Dentro de mim, eu me admirava das palavras que eu dizia.
Na breve pausa, em que fôlego busquei para retornar minha fala, ela se foi.
Ainda escuto até o dia de hoje suas palavras antes de partir:
"Eu que tanto amo, não sou digna do teu alento."
Certa manhã, enquanto pelo mesmo parque eu caminhava, escutei algumas vozes que comentavam sobre uma certa moça que tantos anos quantos se pode contar,
naquele mesmo parque, suicidara-se por muito amar.

Sara.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Deixa

Deixa vir esse cabelo no rosto
essas lágrimas guardadas
essas palavras não ditas
que te entopem.

Deixa,
Deixa nascer um espaço entre n-ó-s.
para que alguém possa respirar
depois de uma crise de choro.

Deixa,
Deixa o tempo andar devagar
e te olhar
para ver como é que você está se fazendo
se moldando, se construindo.

Deixa,
Deixa o silêncio surgir sorrateiro
trazendo a tona o barulho
que antes estava aqui

Deixa,
Deixa a sua vontade dizer firme que te incomoda o desejo
O desejo de um outro alguém
Deixa
Deixa a gente ganhar espaço,
alçar voos distantes.

Deixa,
Deixa eu pousar um instante
para recuperar o fôlego
Depois do esforço
de tentar te fazer apaixonar...

Deixa,
Deixa o espaço se fazer entre nós
e quando ele tiver se instalado
a gente olha.

Sara.

Soberana.

A gota que ferve na palma da mão.
O abraço apertado dançante.
O beijo, o cheiro
o sorriso gigante.
Quem é você
que chegou nesse instante?

Os olhos castanhos-verdes me fitam
e pedem de mim um apreço.
Eu reluto, mas me entrego
pois permaneço.

O laço que prende
a obrigação que chama
o meio sorriso de canto presente.

Um nós abrupto,
ininterrupto
desconcertante

Houve um atropelamento,
mas estou gostando deste asfalto.
Eu ganhei um beijo no asfalto*

Eu tenho uma mala comigo
Ela é pesada
Nada impede que não a machuque.

Confusão é uma palavra presente.
Desconcerto, cuidado, carinho,
preocupação.
Mas e se?
Se ela voltar?
Se ele voltar?
Você machucará?
Não há respostas prontas
para futuros prováveis.
Mas pode haver?
O que fazer?

Acalma, apressa, aperta o passo.
Ela acalma a minha pressa?*
Ela apressa a minha calma.

Sara.

*Livro: "O Beijo no Asfalto", Nelson Rodrigues.
*Música: "Provável Canção de Amor para Estimada Natália", Banda Mulamba.

Contraponto.

Foi quando um contraponto aconteceu...           Meu andar altivo encontrou seu andar ensimesmado Meu olhar furtivo encontrou seu olhar doce. Minhas longas conversas encontraram suas perguntas profundas e certeiras. Foi quando eu vi a idade da minha alma Ao me deparar com a idade da sua. Foi nas nossas conversas inteligentes que vi os nossos interesses em comum. Foi quando você segurou minha mão, que eu percebi o tamanho do meu passo. Assim que você se mostrou confusa eu vi nascer a certeza da impermanência entre nós. Nós somos um contraponto, Que ora se encontra, ora se distancia. Mas seu sorriso terno E meu olhar amoroso se misturam Quando a gente se olha no começo do dia. Minha alta exposição encontrou seu mistério. Minha mão encontrou seu cabelo E sua boca a minha orelha E foi amor à primeira vista entre eles. Mas também foi onde você não me prometeu a eternidade E eu aceitei a transitoriedade
de nós. Foi quando aconteceu A minha intensidade encontrou o seu breu E se dissipou, s…