Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Março, 2015

Sem Ar.

Um pé adiante,
um passo de cada vez.
Te olhei por algum tempo
vi em seus olhos algo inquietante.
Dizem que pareço distante,
mas não me conhecem.
Almejo espaços em que não posso pisar,
tenho desejos que não podem se realizar,
são excludentes, onde está um
o outro jamais  estará.
Me peça para partir,
é tudo o que mais desejo.
A ausência me compreende,
estando nela, não ficarei só.
Não exija que eu esteja em mim.
É pedir demais se eu pedir ao silêncio
que não se perturbe por mim?
Eu já nem sei o que digo,
elas saem de mim,
sem que eu as perceba.
Não me acompanhe neste caminho,
sempre estive só,
não saberei lidar com companhia.
Assuma que somos diferentes e parta,
a proximidade me assusta,
faz de mim refém,
sem que eu jamais saiba
o que de fato está se passando
à minha volta.

Sara.
"Quem combate monstruosidades deve cuidar para que não se torne um monstro. E se você olhar longamente para um abismo, o abismo também olhará para dentro de você."Nietzsche (Além do Bem e do Mal).

*ima…

Meu Mal.

Você tem um mal.
Um mal que corre pelas suas veias juntamente com seu sangue.
Você tem medo do mundo,
pois, ele é cruel e devorador
de almas ingenuas como a sua.
Você tem a força.
Força que te move em direção
à tudo que te é oposto.
Você é um enigma.
Um enigma para si mesmo, para o mundo,
para tudo.
Você ama a simplicidade,
da natureza, das pessoas, da chuva,
pois, você ama tudo o que te é oposto.
Tudo contêm o seu oposto.
Você hesita,
ao escrever esse texto,
ao agir, ao pensar.
Você não quer que o sofrimento acabe.
Você o reconhece como um igual,
como um estado natural da sua existência.
Você sente-se exclusivamente digna dele.
Você não sabe como parar de se punir
por ser que você é.
Você tem um mal
e você não sabe como nomeá-lo.

Sara.

Uma Pausa,

Na calmaria de um dia qualquer,
Chuva de vento e folhas.
Respingos em um rosto.
Um livro em mãos,
um pensamento longe.
Fugas da chuva.
Vento forte que balança extremidades,
leva ao longe as gotas da chuva,
acalma.
Cada rajada afasta folhas
de suas árvores.
Dura pouco, mas o suficiente para molhar o chão.
Retomada dos trabalhos,
ainda venta, sabe-se que ela em breve voltará.

Sara.

Imagem da Internet.