Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2016

Pasmo.

Pasmo do meu ódio por minha existência.
Pasmo pelos meus sentimentos de reminiscência.
Pasmo de ainda resistir
Quando no fundo desejo
desistir.

Pasmo do seu olhar perdido
e do meu medo de abandono.
Pasmo de não querer soltar sua mão.
Pasmo por medo de você cair.

Pasmo de continuar de pé
mesmo quando meu mundo
a minha volta cai.

Pasmo de não alcançar a corda
que me tirará daqui.
Pasmo por existir.

Pasmo por não encontrar palavras
para descrever minha dor.
Pasmo por ainda deixar me corroer
meu medo do amor.

Pasmo pelo silêncio da noite
que me conforta e amedronta.
Pasmo dos desejos que me percorrem
Pasmo de me sentir só
mesmo estando ao seu lado.

Pasmo das minhas palavras que perfuram
minha carne, meu ser.
Pasmo de te olhar nos olhos
e perceber sua fuga.
Pasmado estou,
mas não mais
estarei.

Sara.

Na cidade.

Eu andei pela cidade
vi nudez, sangue e miséria.
E me ressenti
da minha impotência.
Diante da cidade cantarolei verso
para preencher o vazio do peito.
Verso rimado e refeito a cada vez que eu o cantarolava.

Na cidade encontra-se muitas coisas
a cada passo passo
sem perceber quantas coisas encontro.

Na cidade há muitos espaços
de luta, de resistência, de sustento,
labuta e encontro.

Na cidade desfaço e refaço
o meu triste olhar
Na cidade registro
quando algo não faz sentido
e procuro disfarçar.

Na cidade me componho
como verso que ora rima
ora não rima
e me sento a beira das calçadas
para escrever, pensar, amar.

Sara.

Brasília ao nascer do Sol.

Versar.

Verso
pois é só o que sei fazer.
Versar é meu jeito de amar
amar o meu desamor
A não muito tempo verso sobre alguém
Para muitas pessoas eu verso.
Não me envergonho de versar
pois é só o que tenho a fazer.

De certo que eu desejaria ver verso teu,
mas você de mim não quer versar.

No verso escrevo
alinho
descrevo
imponho
transmito
distrato
desamo
desfaço
verso

Mais além disso
versando vou me vendo
e nesse olhar me confundo
e penso que verso sou toda
completa e vazia
discreta e sentida.

Verso, pois só me resta versar
já que amar
Bem, disso daí já versei demais.
Ainda assim do reverso
desamor
desse eu sou
Teus são meus versos
mesmo que eu não queira dá-los.

Nos versos dedico
palavras
Invento sentidos
dou referências
mapeio caminhos
em busca de seguir
criando significados.

Sara.


Ps. Versar (verbo): pegar em (algo) manuseando-o; compulsar, folhear. fonte: google.com


Por entre o mundo.

Por entre as minhas mãos
algo escorre.
Penso que podem ser desejos
meras ilusões.

Por entre os meus olhos
algo escorre.
Imagino que sejam minhas lágrimas
desconheço sua procedência.

Por entre os meus braços
algo se ampara.
Penso que pode ser você
Mas logo vejo que sou eu.

Por entre meus caminhos
sempre me deparo
com trajetos estranhos
pessoas caminhantes
seres pensantes
que distorcem meu caminhar.

Por entre meus passos
vislumbro espaços
dignos de uma parada
para que eu veja que não estou só.

Por entre rostos
enxergo olhares
que me dizem
mais do que as bocas.

Por entre gestos
percebo palavras
que comunicam
mais do que as vozes.

Por entre mim
enxergo você
e me pergunto se você me vê
será que meus pensamentos te alcançam
será que meus desejos te tocam

Por entre você
eu não enxergo nada,
mas eu enxergo tudo
e tão confuso fico
que por entre as coisas te procuro.

Sara.

Vício - Phill Veras

Vício- Phill Veras

Dava pra sentir por todo o corpo
Era o movimento que sobrava pra fazer
E eu te preparei uma surpresa
Pode me algemar, porque eu não quero me perder
Pode me prender, me obrigue a ficar
Pode me dopar

Põe algo pra gente ouvir
Pra me distrair, não quero lembrar

Me obrigue a beber pra eu desmaiar
Pode me trancar
Pede alguém pra te ajudar
Não quero te machucar
Não devo te machucar
Não culpe a si mesma
Peça por nos dois
Fala do depois
Deixa a música tocar

Dava pra te ver do lado oposto
E eu não duvidava que gostava de você
Não quero sofrer nessa promessa
Faça o que quiser, mas não permita-me morrer

Pode me prender, me obrigue a ficar
Pode me dopar

Põe algo pra a gente ouvir
Pra me seduzir, não quero deitar
Me obrigue a viver pra eu planejar
Pode me calar
Não deixe ninguém entrar
Não quero me machucar
Não devo me machucar
Não vai dar na mesma
Faço por nós dois
Penso no depois
Deixo a música tocar

Vídeo por Kamila Schnneider
Letra por https://www.letras.mus.br/phill-veras/v…