Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2017

Exceto quando durmo.

Vem em mim um certo receio de viver,
Uma vontade de encerrar-me em caixa e desfalecer.
Quem é você?
Porque você se importa?
Enclausurado em meu sofrimento
Eu descubro minha raiva pela minha existência.
Eu me sacudo a procura de respostas
De porquês.
Eu cresci rodeada das minhas fantasias para me proteger do mundo.
Agora meu mundo surreal se volta contra mim
A fim de me aprisionar em mim.
Eu sou meu único carrasco.
Destilo um fio de ódio a cada respiração,
Mas eu estou em uma caixa fechada e já não tenho oxigênio.
Há anos respiro meu próprio ódio.
Como me tornei meu pior pesadelo?
O que fez de mim um carrasco?
Quem me aprisiona em mim?
Eu me sinto cindindo
Perfurado por razões que desconheço
Maltratado por múltiplos abandonos
Que eu revivo e perpetuo
Quando tornarei o vinho em água?
O que fará minha transfiguração?
Eu preciso me afogar em afagos
Antes que eu apodreça
Com o gás que respiro.

Sara.

Zélia Duncan - Me Revelar

Me Revelar
Zélia Duncan


Tudo aqui!
Quer me revelar
Minha letra
Minha roupa
Meu paladar
O que eu não digo
O que eu afirmo
Onde eu gosto de ficar
Quando amanheço
Quando me esqueço
Quando morro de medo do mar...

Tudo aqui!
Quer me revelar
Unhas roídas
Ausências, visitas
Cores na sala de estar...(2x)

O que eu procuro
O que eu rejeito
O que eu nunca vou recusar
Tudo em mim quer me revelar...

Tudo em mim!
Quer me revelar
Meu grito, meu beijo
Meu jeito de desejar
O que me preocupa
O que me ajuda
O que eu escolho prá amar
Quando amanheço
Quando me esqueço
Quando morro de medo do mar

Ah! Ah!...

Tudo aqui!
Quer me revelar
Unhas roídas
Ausências, visitas
Cores na sala de estar...

O que eu procuro
O que eu rejeito
O que eu nunca vou recusar
Tudo em mim quer me revelar
Ah! Ah! Ah! Ah!
Tudo em mim!

Composição: L. Wilis / Milton Guedes / Sérgio Vieira / Franky / Christiaan Oyens / Luis Marques / Zélia Duncan

Tentativa e Erro

É quando me encontro naquele mesmo buraco fundo,
que as relações parecem mais claras.
Não que eu peça para estar aqui,
mas vez ou outra acabo retornando.
E é aqui onde as possibilidades se abrem
e onde sinto mais medo.
Saber algo nos da a sensação
de estabilidade, de controle.
quando vejo onde estou,
percebo que nunca tive o controle,
eu nunca realmente sei o que fazer com o que eu sei.
Quando o problema é algo grande demais,
desistir sempre é uma opção.
Não gosto de desistir,
teimosia, determinação,
chame como quiser.
O que eu sei é que
talvez tenha chegado esse momento.
É sempre na dor que mais crescemos,
por isso dizem que o sofrimento é bom.
Talvez tenhamos que dar um novo significado para "bom".
Por mais científica que você seja
a vida na maioria das vezes é tentativa e erro.

Sara.














Fonte: http://mauricioserafim.com.br/sabor-de-vida/

Medo.

Quando um ser humano
sente medo de outro ser humano,
esse medo é aprendido.

É difícil olhar nos olhos das pessoas
Que vivem na margem da sociedade,
Quando você não vive.

É difícil saber que ele ou ela não tem o que comer,
onde dormir, alguém pra dar um abraço.
Dói saber que quando ele se aproxima de mim pra pedir dinheiro
Eu sinto medo.

Eu sei que ele ou ela é mais do que a rua.
Eles não vieram do nada,
não nasceram na rua.
Mas diversas circunstâncias os levaram a rua.

Eu sei que ele percebe meu medo
E que isso o entristece.
É duro saber que o outro sente medo de você.
Quando você sabe que esse medo não tem razão.

Eu sei que essa pessoa tem uma história,
tem pessoas que a ama,
tem pessoas que a deixaram,
tem pessoas que cuidam dela.

Eu sei que somos de mundos distintos
Mas me nego a aceitar esse medo.
Eu preciso parar de sentir medo
E enxerga-lo como alguém
que é muito mais do que a sua condição de vida.

Ele e Ela são muito mais do que a rua mostra.
E eu quero conversar com eles e con…