Pular para o conteúdo principal

Contraponto.

Foi quando um contraponto aconteceu...          
Meu andar altivo encontrou seu andar ensimesmado
Meu olhar furtivo encontrou seu olhar doce.
Minhas longas conversas encontraram suas perguntas profundas e certeiras.
Foi quando eu vi a idade da minha alma
Ao me deparar com a idade da sua.
Foi nas nossas conversas inteligentes que vi os nossos interesses em comum.
Foi quando você segurou minha mão, que eu percebi o tamanho do meu passo.
Assim que você se mostrou confusa eu vi nascer a certeza da impermanência entre nós.
Nós somos um contraponto,
Que ora se encontra, ora se distancia.
Mas seu sorriso terno
E meu olhar amoroso se misturam
Quando a gente se olha no começo do dia.
Minha alta exposição encontrou seu mistério.
Minha mão encontrou seu cabelo
E sua boca a minha orelha
E foi amor à primeira vista entre eles.
Mas também foi onde você não me prometeu a eternidade
E eu aceitei a transitoriedade
de nós.
Foi quando aconteceu
A minha intensidade encontrou o seu breu
E se dissipou, se espalhou pelo breu,
se misturando a gente se enxerga e se percebe diferente.
Foi quando aconteceu
Um encontro precioso se deu,
mas encontros são fugazes,
Tão logo se dão
Tão logo se vão.


Sara.
Resultado de imagem para contraponto

PS.""Contraponto" é a apresentação ou o uso de duas coisas contrárias de maneira que uma se torne complemento da outra. Na arte musical, o contraponto é a sobreposição de uma nova melodia a outra já composta."
Fonte: https://redafacil.blogspot.com.br/2016/09/o-contraponto.html

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Deixa

Deixa vir esse cabelo no rosto
essas lágrimas guardadas
essas palavras não ditas
que te entopem.

Deixa,
Deixa nascer um espaço entre n-ó-s.
para que alguém possa respirar
depois de uma crise de choro.

Deixa,
Deixa o tempo andar devagar
e te olhar
para ver como é que você está se fazendo
se moldando, se construindo.

Deixa,
Deixa o silêncio surgir sorrateiro
trazendo a tona o barulho
que antes estava aqui

Deixa,
Deixa a sua vontade dizer firme que te incomoda o desejo
O desejo de um outro alguém
Deixa
Deixa a gente ganhar espaço,
alçar voos distantes.

Deixa,
Deixa eu pousar um instante
para recuperar o fôlego
Depois do esforço
de tentar te fazer apaixonar...

Deixa,
Deixa o espaço se fazer entre nós
e quando ele tiver se instalado
a gente olha.

Sara.

Soberana.

A gota que ferve na palma da mão.
O abraço apertado dançante.
O beijo, o cheiro
o sorriso gigante.
Quem é você
que chegou nesse instante?

Os olhos castanhos-verdes me fitam
e pedem de mim um apreço.
Eu reluto, mas me entrego
pois permaneço.

O laço que prende
a obrigação que chama
o meio sorriso de canto presente.

Um nós abrupto,
ininterrupto
desconcertante

Houve um atropelamento,
mas estou gostando deste asfalto.
Eu ganhei um beijo no asfalto*

Eu tenho uma mala comigo
Ela é pesada
Nada impede que não a machuque.

Confusão é uma palavra presente.
Desconcerto, cuidado, carinho,
preocupação.
Mas e se?
Se ela voltar?
Se ele voltar?
Você machucará?
Não há respostas prontas
para futuros prováveis.
Mas pode haver?
O que fazer?

Acalma, apressa, aperta o passo.
Ela acalma a minha pressa?*
Ela apressa a minha calma.

Sara.

*Livro: "O Beijo no Asfalto", Nelson Rodrigues.
*Música: "Provável Canção de Amor para Estimada Natália", Banda Mulamba.