Pular para o conteúdo principal

Postagens

Pedido à Ansiedade

Me deixe ir
Não posso ficar aqui
há algo me perturbando

É o medo
de me perder
de deixar cair
tudo o que custosamente eu construí.

Todas as noites eu encaro
o teto do meu quarto
e me pergunto
o que eu fiz para que tudo desse errado
Mas não fui eu
e isso me sufoca
eu quero respirar
eu preciso disso
Mas a culpa me puxa para baixo
o fundo do poço não é uma zona de conforto.

Eu preciso explicar o que me acontece
e eu quero que a culpa seja minha
para poder me machucar
como eu sempre fiz
Eu preciso ir
eu preciso inspirar profundamente
e deixar cair esses muros que me oprimem
Eu quero estar em paz
comigo.

Sara.

Inspiração: Música Breakers- Local Natives
https://www.youtube.com/watch?v=_OGw6SwDveQ

Postagens recentes

Sobre a Paz e o Medo.

É preciso encontrar a paz em si mesmo para destruir o medo.
Antes que ele cresça
e tome todo o seu ser
E com o medo venha a dor
e o silêncio
entristecedor
que se alimenta
do medo
e atormenta
todos os seus pensamentos
e como um pequeno caos
vem destruindo
suas pequenas guaritas
suas breves fortalezas
sufocando o seu grito
tomando o foco
sendo um catalisador
de muitas dores
Tudo começa com o medo
e seu maior combatente é a paz
aquela que redime
que transborda
aquela que alcança
e invade todos os buracos profundos
que você carrega
Somente a paz pode te fazer amar.
Um tão profundo amor
que é desconhecido
É na paz que repousa o seu corpo
e se firma a sua calma
prevalecendo o encontro
com você mesmo,
aquele que há muito você havia perdido
nos confins do mundo.
E por isso é preciso encontrar a paz em si mesmo
para destruir o medo.

Sara.

Vidas feitas de Água.

Fui jogado ao mar
e agora me vejo cair
não sei muito bem como agir
chorar ou rir
fechar os olhos
ou abrir?

Dentro de mim
reside o medo
e a dor
de já ter querido estar aqui
Dentro de mim
está você
que me impediu de partir
Mas eu não te culpo
há muito de mim
agora
por todo o lado

Deixei um tempo atrás
palavras soltas em um caderno
esperava um dia completá-las
eu queria te escrever um poema
mas eu não pude amarrá-las
nem dar um nó
não pude preencher o seu vazio
então fiquei só
Dizem que eu sou uma alma cuidadora
esperando pelos cantos
alguém para que eu possa cuidar
mas aqui no fundo
desse longo oceano
eu sei o que me preenche
é o mesmo nada
que te levou de mim.

Sara.
Inspirado na música Past Lives- Local Natives

Sonho.

Eu pedi um Bálsamo novo
e recebi o meu passado em retorno.

Lá no auge dos meus sonhos recorrentes
meu inconsciente
quer me mostrar algo.
Ele repete o mesmo sonho
Ele repete o mesmo trajeto
Ele repete o mesmo sentimento
Ele repete a minha covardia
Ele repete a minha alegria
Ele repete você.
Ele repete sua entrega
Ele repete sua ânsia
Ele repete sua história
que também é a minha.
Ele repete nosso laço
Ele repete até eu perder a linha
Então eu acordo,
e a vida é só minha,
mas aquele sonho
no começo da manhã
não me deixa.
E todas as noites que ele vem
eu estou aqui.
Mas eu não me repito.
Eu não sou a mesma
Eu não recebo inerte aquele mesmo sonho
Eu sou aquela que sonha
e tudo no sonho sou eu.
E é por isso que o sonho é meu.

Mais uma noite,
mais uma vez ele se repete,
mas não eu.

Eu sonho
e sei que estou sonhando.
Será ele o mesmo sonho de novo?

Sara.














"Sandman- O Senhor dos Sonhos"
Neil Gaiman

Da Fuga ao Vento.

Subi a montanha
desesperado de cansaço
Subi com toda a minha intensidade
e ao alcança-la tive medo de cair.

Me sentei e por um longo tempo
contemplei a vista do vale
Era fim de tarde
e a paz alcançava o monte.
Mas em mim permanecia latente
todo o cansaço
tive vontade de me estirar
e de me esconder
tive vontade de me matar
e de correr
ao mesmo tempo.

Eu não era o vento.
Mas eu o tinha invejado
e por isso me meti a subir a montanha
para acompanha-lo.

Ao chegar ao topo
eu quis fugir
Não poder fugir
me aterroriza.
Porque tudo o que eu fiz na minha vida
foi fugir.
Fujo de mim
desde a minha tenra idade
Fujo do que me fez existir
e do que me formou
Fujo de lares falsos
e da falta de afeto
Fujo todos os anos
em todas eras
Desde que me conheci.
Mas o vento é sábio
e me fez o seguir
Derrubou sobre mim a inveja
e me levou a subir
Ao fim de tanta fuga
resta um alguém cansado
mas grato
ao vento
que me ensinou a não soprar
sempre.

Sara.

Retorno.

Há em mim todo o ferimento do mundo
Fechado por pontos
Costurado por anos
Com um relevo que marca o passar do tempo
Vez ou outra eu refaço o ferimento 
Não é intencional
Acontece esporadicamente 
A dor diminui com o tempo
Não o suficiente para sumir
Queira deus que eu não esteja mais aqui
Quando o último ponto cair
E eu tiver que me deparar 
Com tudo o que me feriu
Há ressalvas 
Há espinhos que eu retiro
Há espinhos que eu coloco
Não é masoquismo
É autosabotagem
Não há prazer em se ferir
Há não cuidado e não amor
Eu procuro um bálsamo novo
Pode ser provisório
Mas que traga a paz que me tire da dor.

Retorno ao lugar comum

Abertura de Coração.

tudo começou no dia em que eu fiz uma abertura de coração.
Senti minhas costelas se deslocando
e aquela estrutura expandindo-se no meu peito
Era divertido experimentar aquela posição
então eu não me importei em seguir
continuar
me permitir
expandir
Você sabia que quanto mais abertos ao mundo
mais propensos aos acontecimentos ficamos?
Eu tenho sequelas
eu fiz rupturas
eu passei dos limites
agora sinto as dores
Todas àquelas marcas não estavam fechadas
elas se romperam novamente
e agora, eu sinto o líquido escorrer pelo meu peito
queima.
Eu fui descuidada
me deixei levar pela promessa de relaxamento
e fiz uma abertura de coração
agora ele fecha lenta e dolorosamente
porque eu passei dos meus limites.
É tudo sobre mim, ao final.
sobre a forma como eu me coloco no mundo
e sobre os desejos de calmaria
que habitam meu interior tempestuoso.


Sara.